Desonra

Desonra

Brasília/DF

Reviews postadas

Banda ainda não escreveu nenhuma review.

Release

Em meados de 2014, em Brasília/DF, os irmãos Beto Padilha (baterista) e Luiz Araújo (guitarrista) decidem montar uma banda que tivesse um som agressivo e pesado, e que as letras refletissem a decadência da humanidade, porém, mostrando que existem outras formas de ser e viver. Após alguns meses ensaiando e fazendo músicas sozinhos, encontram o baixista Henri Diop, que prontamente entra para a banda. Faltava um vocalista que desse vida às suas letras. Em um teste para vocal, Clayton Souza canta “Roots”, do Sepultura. No primeiro grito já sabem que ele está na banda! Nasce a DESONRA! Após vários ensaios e pré-produções, decidem gravar duas músicas que simbolizam bem essa fase da DESONRA, Boneco Morto e Morte. Lançadas em Fevereiro de 2016, na forma de EP, nas principais plataformas de streaming do mundo, têm um feedback muito positivo e que abrem portas para vários shows. Em Agosto de 2016, Henri sai e quem entra em seu lugar é Mike, que traz uma nova energia para a banda. Com essa formação, a agressividade e peso que sempre nortearam as composições, encontram solo fértil para se desenvolver. Mas durante as gravações do CD, no início de 2017, ocorre algo inesperado. Clayton deixa a banda e os trabalhos param durante um tempo. Após alguns testes e conversas, Cleiber Mota assume a responsabilidade de elevar o patamar da banda e assume de vez o seu lugar como porta-voz da banda. Entre o final de 2017 e início de 2018, Cleiber grava todas as músicas, inclusive Boneco Morto e Morte. Alguns shows foram destaque durante esse ano de 2018, como o Inferno na Terra, evento produzido por nós, Rural Rock em João Pinheiro/MG, Drop da Lua em Brasília/DF e Porão do Rock, onde abrimos o Palco Pesado, que teve a presença de bandas como Project46 e Krisiun. E nesse mesmo palco realizamos o pré-lançamento do nosso primeiro full álbum. O som da DESONRA passeia pelo Metal, Hardcore, Thrash e não se prende à clichês. Na busca de um som com DNA próprio, a DESONRA abusa nas guitarras nervosas, bateria pesada, baixo agressivo e vocal violento. A banda quer marcar o seu espaço na cena. Com influências de Metallica, Slayer, Pantera, Overdose, Black Sabbath, Sepultura, Macakongs 2099, DFC, Violator, Nasty, entre outros, a DESONRA prepara o seu próprio caminho. Nos vemos por aí!